Noticias
Publicado : sábado, 19 de março de 2016
11:49
Por Portal Campinas News

"Se tiver cheiro de vazamento, troco a equipe", diz ministro da Justiça sobre PF

O novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, criticou a forma com que as delações estão sendo conduzidas e os vazamentos de investigações. Em entrevista à Folha de S. Paulo, Aragão destacou: "No Direito alemão, a colaboração tem de ser voluntária. Se houver dúvida sobre essa voluntariedade, não vale. Na medida em que decretamos prisão preventiva ou temporária em relação a suspeitos para que venham a delatar, essa voluntariedade pode ser colocada em dúvida. Porque estamos em situação muito próxima de extorsão. Não quero nem falar em tortura. Mas no mínimo é extorsão de declaração. Se a gente tolera que o grandalhão vai para cadeia enquanto não resolve abrir a boca, então o pequeno pode ir para o pau de arara."


Ministro Eugênio Aragão alerta: "Estamos em situação muito próxima de extorsão"
Ministro Eugênio Aragão alerta: "Estamos em situação muito próxima de extorsão"


O ministro da Justiça reforçou ainda a importância da independência nas investigações, e comentou a possibilidade de mexer nas equipes da Polícia federal: "Eles têm de me dar motivos. Não posso simplesmente dizer "não gosto desse daí" porque está sendo muito eficiente. Eles têm de ultrapassar a linha vermelha, terem comportamento que não seja profissional. Venho do Ministério Público e sei quão caro é a independência funcional. Não que eles (polícia) tenham independência funcional, a polícia é um órgão hierárquico, muito diferente do Ministério Público. Mas não posso mexer com a atividade fim da polícia. Seu planejamento só me interessa na medida que tenho que me preparar para seu impacto político."

Aragão comentou ainda os vazamentos das investigações da PF. "Um dos problemas estratégicos é a questão do vazamento de informações, que alguns dizem que são seletivos. Não podemos tolerar seletividade. Há uma politização do procedimento judicial, seja por parte do juiz, seja por parte dos agentes públicos em torno." (...) "Aí nós temos uma atitude criminosa, porque quem vaza a delação está querendo criar algum tipo de ambiente."

O ministro destacou: "Os agentes públicos têm código disciplinar. O Estado não pode agir como malandro. A minha grande preocupação é com a qualidade ética desses agentes. Se vaza, é coisa clandestina. Se vaza, esse agente está querendo atribuir um efeito a esses atos públicos, que são essas delações."

Questionado se poderia punir o autor de vazamentos, o ministro afirmou: "A primeira atitude que tomo é: cheirou vazamento de investigação por um agente nosso, a equipe será trocada, toda. Cheirou. Eu não preciso ter prova. A PF está sob nossa supervisão. Se eu tiver um cheiro de vazamento, eu troco a equipe. Agora, quero também que, se a equipe disser "não fomos nós", que me traga claros elementos de quem vazou porque aí vou ter de conversar com quem de direito. Não é razoável, com o país num momento de quase conflagração, que os agentes aproveitem esse momento delicado para colocar gasolina na fogueira."

Via JB

Portal Campinas News 11:49 , ,

Portal Campinas News on 11:49 , , . .

0 comentários for ""Se tiver cheiro de vazamento, troco a equipe", diz ministro da Justiça sobre PF"

Deixe um Comentário! Será um Prazer Ter a sua Interação Conosco!